quinta-feira, junho 02, 2011


O Arrependimento Daquilo Que a Gente Não Fez...

"Uma variante desse tipo de orgulho que, mesclada ao machismo, fica ainda pior, é a do sujeito dependente da palavra dada: ''Sou homem de uma palavra só. Olhei na cara dela e falei que eu não voltava mais pra ela e não vou voltar!''.''Mas rapaz, rapaz, você não ama essa mulher?'', diz o amigo.'' Amo, mas uma coisa não tem nada a ver com a outra! O que está em jogo aqui é a minha palavra. Olhei na cara dela e falei que podia viver sem ela... E agora vou chegar lá com que cara?Vou voltar atrás? Não vou mesmo, que não sou de dar ré em opinião minha.'' Que besteira! Na hora pode até parecer humilhante você assumir seus sentimentos, mas é melhor falar, meu amigo. Vai lá, ao encontro dela, abra o coração e diga: ''Eu falei que podia viver sem você, mas falei porque eu não tinha vivido isso antes, agora que eu tô vivendo, to vendo que é foda! Digamos que na época eu tivesse apenas um conhecimento teórico do assunto, agora eu tô mas experiente...'' Pode ser que não dê em nada esta iniciativa, mas pelo menos se tomou uma atitude em relação ao nosso desejo. Do contrário, favorecemos o surgimento de outro tipo de cárcere, e esse se dá em forma de chicote, que é o arrependimento daquilo que a gente não fez..." 
Parem de falar mal da rotina
Elisa Lucinda
Pág. 62;63
1

1 Comentários:

Myle Menezes disse...

o orgulho mtas vezes barram tantas coisas em nossa vida .. ! // gooostei do texto ! blog lindo como sempre ! bj querida